FALE CONOSCO
49 99122.9001
Central de Atendimento
(49) 3304 4757 . sac@nutrir-sc.com.br
Postado em 25 de Abril de 2017 às 09h14

Paralisia Cerebral: como recuperar a força do paciente através da Alimentação

SAÚDE (60)
Nutrir Nutrição Enteral e Suplementação A Paralisia Cerebral é um termo usado geralmente para descrever um grupo de condições clínicas que dão início a uma alteração do movimento ou da...

A Paralisia Cerebral é um termo usado geralmente para descrever um grupo de condições clínicas que dão início a uma alteração do movimento ou da postura do paciente devido a uma lesão que afeta o cérebro ainda em desenvolvimento.


De uma forma geral, a alimentação de uma pessoa com paralisia cerebral deve ser igual à da população em geral, cumprindo com os princípios de uma alimentação saudável.


No entanto, na maioria dos casos de paralisia cerebral existem problemas alimentares associados a esta condição, assim, sendo necessário proceder a algumas adaptações e mudanças na rotina alimentar.


As desordens motoras podem interferir no desenvolvimento de alguns órgãos e proporcionar o desempenho inadequado das funções de fala, alimentares e de deglutição.


Ainda deve-se levar em consideração que muitos pacientes possuem movimentos espásticos (movimentos involuntários e repetitivos com muita rigidez muscular) gastando muita energia; ou mesmo pela dificuldade na alimentação, assim acabam perdendo muito peso.

Veja alguns cuidados importantes para evitar a aspiração pulmonar. Acesse!

Aumentar o número de refeições


As pesquisas indicam a existência de uma grande diferença entre o tempo gasto para alimentar crianças sem distúrbios neurológicos e crianças com paralisia cerebral.


As crianças com paralisia cerebral podem levar até 14 vezes mais tempo para engolir o alimento, levando às famílias dificuldade no momento da alimentação e ao estresse, colaborando para diminuição de oferta de alimentos às mesmas e, consequentemente, desnutrição e desidratação.


Desta forma, é necessário aumentar o número de refeições fornecidas (com menor volume cada), densidade calórica das mesmas, consistência, textura e tipo de alimento conforme a aceitação, elaborar refeições atrativas e nutritivas, evitando tornar a alimentação monótona.


Dê mais importância às proteínas


As principais refeições devem ser enriquecidas com um componente proteico (carne, peixe ou ovo), desta forma consegue-se controlar a quantidade real oferecida. No entanto, nem sempre estas medidas são suficientes para resolver o problema.


Em situações em que as mudanças na alimentação não são suficientes, poderá recorrer-se a suplementos nutricionais que complementem a alimentação.


Com este recurso é possível aumentar o aporte energético e proteico, ajudando na recuperação de peso, força e melhora do estado nutricional.


É necessário avaliar a presença de dificuldades alimentares no momento da escolha de suplementos em pó ou líquidos, para que a suplementação possa ser adaptada à alimentação, hábitos de vida e forma clínica do indivíduo com Paralisia Cerebral.


Veja algumas opções de suplementos que podem ajudar. Clique aqui!


Acima de tudo, quando falamos de alimentação em Paralisia Cerebral é importante ter em mente que pequenas alterações e adaptações na rotina alimentar poderão fazer toda a diferença e que, muitas vezes, a pessoa com Paralisia Cerebral não é capaz de comunicar as suas necessidades, sendo importante nestes casos uma atenção redobrada.

    Veja também

    A IMPORTÂNCIA DO ESTADO NUTRICIONAL PARA A SUA CIRURGIA22/03/18 O estado nutricional está diretamento relacionado ao estado imunológico, podendo interferir tanto de forma positiva quanto negativa no resultado da sua cirurgia. Realizar um preparo imunológico antes da cirurgia, consumindo previamente uma dieta rica em nutrientes imunomoduladores, pode trazer benefícios para o seu tratamento. A função imune é geralmente......
    ALERGIA À PROTEÍNA DO LEITE DE VACA OU INTOLERÂNCIA A LACTOSE?08/03/18 Esse é um tema que causa muita confusão. Mesmo se tratando de leite, há muita diferença entre os dois, tanto o diagnóstico como os sintomas e o tratamento. E para entender melhor, precisamos conhecer do que se trata cada um......

    Voltar para BLOG