FALE CONOSCO
49 99122.9001
Central de Atendimento
(49) 3304 4757 . sac@nutrir-sc.com.br
Postado em 16 de Junho de 2017 às 17h08

Como minimizar as interações entre a nutrição enteral e o tratamento medicamentoso

Nutrir Nutrição Enteral e Suplementação Os medicamentos podem tratar e curar muitos problemas de saúde Os medicamentos devem ser tomados de maneira adequada para garantir a sua segurança e efetividade. Certos alimentos podem...

Os medicamentos podem tratar e curar muitos problemas de saúde

Os medicamentos devem ser tomados de maneira adequada para garantir a sua segurança e efetividade. Certos alimentos podem interagir com fármacos tornando-os menos efetivos ou causando efeitos colaterais, toxicidade e/ou alterações do estado nutricional do indivíduo. 

Durante qualquer tipo de tratamento medicamentoso é importante reconhecer a possibilidade de interações entre fármacos (Substância principal da formulação do medicamento, responsável pelo efeito terapêutico) e nutrientes sendo essencial no cuidado de um paciente.

A existência de muitos medicamentos e um número infinito de fontes alimentares aumentam cada vez mais a probabilidade de ocorrer resultados indesejáveis entre tratamento e dieta.

As interações droga (medicamento) - nutriente podem ocorrem em vários níveis:

• Na ingestão de alimentos;
• Na absorção da droga ou do nutriente;
• Na distribuição;
• No metabolismo;
• Na excreção (Alimentos/nutrientes pode alterar a excreção renal do fármaco).

Afetando diretamente no estado nutricional do indivíduo.

As interações fármaco nutriente são apenas possibilidades, não necessariamente acontecerão em todos os indivíduos.

Fatores:

• A quantidade usada de fármaco e alimento;
• Idade;
• Sexo;
• Estado clínico e físico do indivíduo;
• O uso de dietas especiais;
• O uso de suplementos nutricionais;
• A dieta via sonda;
• Indivíduos com doenças crônicas.

Sendo assim o risco de interações devem ser avaliadas de maneira individualizada.

Consequências:

• Deterioração do estado nutricional;
• Redução do efeito terapêutico;
• Aumento da toxicidade da droga;
• Aumento da absorção de alguns fármacos na presença de alimentos no estômago.

Possíveis interações fármaco com nutrição enteral

• Os fármacos não devem ser administrados simultaneamente com as dietas, nem devem ser diluídos à fórmula;
Dietas em infusão intermitente, deve-se aproveitar para administrar o medicamento nos intervalos que o paciente não recebe a dieta e lavar bem a sonda antes e depois da administração;
• Quando a dieta for em infusão contínua, deve-se parar a infusão da dieta 30 minutos antes da administração do fármaco e lavar a sonda com 50 ml de água filtrada ou fervida (Temperatura ambiente).

Devemos nos atentar:

• Na administração quando e como tomar;
• Alimentos e bebidas a serem evitados;
• Interações com vitaminas/minerais;
• Efeitos gastrointestinais;
• Efeitos que podem alterar a ingestão nutricional;
• Possíveis deficiências nutricionais.

Não basta apenas utilizar a Nutrição Enteral, é preciso que haja acompanhamento adequado durante a terapia nutricional de cada paciente para evitar algumas complicações.

A maioria das complicações pode ser evitada se a prescrição, evolução da terapia nutricional enteral e o acompanhamento nutricional e farmacológico forem feitos de forma adequada.
 

Veja também

FIBROSE CÍSTICA10/03/16 A Fibrose Cística é uma doença hereditária onde o suporte nutricional é essencial para promoção e/ou sustentação de um estado nutricional adequado. É preciso a reposição diária e a cada refeição das enzimas pancreáticas, suplementação de vitaminas e micronutrientes e o monitoramento do estado......
Colágeno e seus efeitos à saúde02/12/16 Colágeno é uma proteína constituída por sequências repetitivas de aminoácidos, entre os quais, destacam-se a glicina, prolina, lisina, hidroxilisina, hidroxiprolina e alanina. A proteína é encontrada......
ALIMENTAÇÃO E IMUNIDADE23/04 Você pode estar se perguntando, se o que você come realmente influencia na sua imunidade, a resposta é SIM, tudo que ingerimos pode influenciar em nossa imunidade, pois o alimento é o "combustível” do nosso......

Voltar para BLOG